Cirurgia Ortognática

Indicada para adultos que sofrem com problemas nos maxilares devido ao crescimento inadequado dos ossos da face. Essa cirurgia corrige a mordida, mas como consequência tem a melhora na harmonização facial.

Casos Clínicos

Antes e depois da cirurgia ortognática.

Fonte: Dra. Thaiz Arrabal

Casos Clínicos

Antes e depois da cirurgia ortognática.

Fonte: Dra. Thaiz Arrabal

Casos Clínicos

Antes e depois da cirurgia ortognática.

Fonte: Dra. Thaiz Arrabal

Casos Clínicos

Antes e depois da cirurgia ortognática.

Fonte: Dra. Thaiz Arrabal

Casos Clínicos

Antes e depois da cirurgia ortognática.

Fonte: Dra. Thaiz Arrabal

Casos Clínicos

Antes e depois da cirurgia ortognática.

Fonte: Dra. Thaiz Arrabal

Quando a cirurgia ortognática é indicada?

Mordida cruzada anterior - Classe III

Deficiência de mandíbula - Classe II

Mordida aberta anterior

Assimetria facial

Excesso vertical da maxila

O objetivo principal da Cirurgia Ortognática é corrigir deformidades envolvendo o esqueleto da face e os dentes que não puderam ser resolvidas com tratamento ortodôntico – como o uso de aparelho, por exemplo. Antes de passar pela cirurgia, é necessário realizar exames que servem tanto para atestar que o paciente está em condições de realizar o procedimento quanto para identificar onde está o problema que precisa ser corrigido. Tanto para garantir que o paciente está em condições de passar pela cirurgia quanto para mostrar onde está o problema e o que o médico deve corrigir. Assim, é possível fazer uma simulação do reposicionamento necessário. A cirurgia é realizada em ambiente hospitalar, sob anestesia geral e entubação nasal. Todos os procedimentos são realizados por dentro da boca. Porém, algumas raras vezes, é necessários fazer algumas incisões (pequenos cortes) na pele do rosto. Após feitas as incisões necessárias, a maxila e a mandíbula são reposicionadas e, por fim, fixadas novamente com o auxílio de placas e parafusos de titânio. Apesar de aparentar ser um procedimento difícil, ele dura de 2 a 4 horas.
O período pós-operatório é sempre muito delicado, porque os cuidados nessa fase podem determinar o resultado final da cirurgia. Normalmente, o período de afastamento exigido é de um mês, e o paciente deve seguir algumas indicações importantes, como:
  • Retornar às consultas médicas para fazer avaliação do acomodamento muscular e da cicatrização óssea, para garantir que o reposicionamento está da maneira certa;
  • Fazer um acompanhamento com nutricionista, para controlar a perda de peso e a ingestão dos nutrientes necessários enquanto a alimentação só pode ser líquida ou pastosa;
  • Usar o aparelho ortodôntico até que o cirurgião decida que é possível retirá-lo;
  • Fazer um tratamento com fisioterapeuta para ajudar no estímulo neurosensorial e muscular, além de reduzir o inchaço e o desconforto, comuns depois da cirurgia.
Além disso, serão indicados medicamentos, que devem ser tomados sempre na quantidade e na hora certa, para diminuir a dor e evitar inflamações depois da cirurgia. É essencial salientar que seguir corretamente esses passos é essencial para uma boa recuperação, além da conquista de resultados satisfatórios.
Como citado anteriormente, a cirurgia ortognática tem o papel de corrigir o crescimento inadequado dos ossos da face. Mas você sabe exatamente quais são as melhoras que essa correção pode proporcionar? Confira a seguir:Entre as mudanças mais importantes que resultam da cirurgia ortognática, estão:Melhora da articulação temporomandibular, da mastigação e, consequentemente, da digestão; Melhora da respiração; Melhora de problemas como ronco e apneia do sono; Melhora da passagem de ar e do posicionamento da língua, o que, como consequência, também melhora a articulação das palavras e a fonação, fazendo com que o paciente se comunique melhor; Melhora do posicionamento da musculatura supra-hióideia e da relação dento-músculo-esqueletal; Melhora da autoestima e das relações sociais do paciente.Esses são alguns dos benefícios mais evidentes da cirurgia ortognática. Não só uma questão de corrigir a aparência, essa cirurgia pode trazer benefícios para o organismo, como a melhora da respiração e da digestão, e benefícios para a vida social do paciente, como a melhora na comunicação e na autoestima. Em outras palavras, fazer a cirurgia ortognática tem como objetivo melhorar a qualidade de vida e trazer bem-estar ao paciente. Mas quem necessita dessa cirurgia?

Quando a cirurgia ortognática é indicada?

A cirurgia ortognática é indicada para pacientes que tem alguma desarmonia facial resultante do crescimento exagerado ou inadequado de algum dos ossos da face – queixo, maxilar, mandíbula, nariz ou malar (maçã do rosto), por exemplo. Esse tipo de desarmonia costuma ocorrer durante a fase de crescimento, se estabilizando na idade adulta e comprometendo não apenas a aparência do paciente, mas também algumas funções do organismo, como a fonação, a digestão e a respiração. Existem vários tipos de alterações do crescimento dos ossos da face que podem resultar em condições propícias para a cirurgia ortognática. Confira abaixo os principais e descubra se você sofre de algum deles.

Mordida cruzada anterior - Classe III

A mordida cruzada anterior é caracterizada pelo o comprimento da mandíbula aumentado e o ângulo mandibular obtuso. Isso faz com que os dentes frontais da parte de inferior do sorriso fiquem a frente dos da área superior, deixando o queixo mais destacado, à frente do maxilar.

Deficiência de mandíbula - Classe II

Também conhecida como retrognatismo, a deficiência da mandíbula se caracteriza por uma retrusão do queixo, maloclusão classe II, e frequentemente é associada ao ronco e à apneia do sono, dois problemas que podem encontrar uma solução na cirurgia ortognática.

Mordida aberta anterior

Na mordida aberta anterior, há a ausência de contato dentário na região anterior da mandíbula, o que traz uma grande dificuldade de mastigação – e, consequentemente, de digestão. Essa condição também está relacionada a problemas respiratórios. Pacientes com a mordida aberta anterior costumam ter a face longa e dificuldades de encostar os lábios. O céu da boca é estreito e profundo. A mordida aberta pode estar associada a problemas congênitos, mas também há hábitos comuns da primeira infância, como chupar o dedo ou usar muito a chupeta.

Assimetria facial

As assimetrias faciais são comuns e podem ter diferentes causas e variadas severidades. Elas podem ser o resultado de problemas congênitos ou adquiridos na formação da maxila, da mandíbula ou de ambos. Se a condição não for congênita, é necessário fazer um acompanhamento para que ela não volte após a cirurgia. Duas condições comuns que causam a assimetria facial são a hiperplasia (aumento benigno de um órgão ou tecido causado pela multiplicação de células) e a reabsorção condilar (excesso de reabsorção óssea), que afetam a articulação temporomandibular, conhecida como ATM. Elas causam desvios progressivos na mandíbula e exigem um tratamento específico. Além de desvio mandibular, outra característica comum em paciente com assimetria facial é o desnivelamento das arcadas, que pode ser observado quando o paciente sorri. Nesse caso, os dentes ficam mais altos de um lado da boca do que do outro.

Excesso vertical da maxila

Caracterizado pelo desenvolvimento vertical excessivo da maxila, esse problema também é conhecido como sorriso gengival, já que há uma exposição exagerada dos dentes e da gengiva quando o paciente sorri. Muitas vezes, essa condição está associada à deficiência mandibular. Todas essas condições podem trazer os mais diversos problemas para os pacientes: dificuldades respiratórias e digestivas, problemas de comunicação e articulação de palavras, fobia social, baixa autoestima e problemas de relacionamento, por exemplo. A cirurgia ortognática é a melhor alternativa para dar mais qualidade de vida aos pacientes em diversos âmbitos.

Qual profissional pode realizar a cirurgia ortognática?

A cirurgia ortognática, como todo tipo de cirurgia, deve ser realizada por um profissional especializado. Como a cirurgia tem um efeito estético aparente, muitas pessoas acham que ela deve ser feita por um cirurgião plástico. Porém, esse não é o caso. A cirurgia ortognática é realizada por um especialista em cirurgia e traumatologia buco-maxilo-facial, ou seja, um cirurgião buco-maxilo-facial. Como o próprio nome diz, esse profissional lida com questões relacionadas à região da boca, do maxilar e da face, e está apto a fazer esse tipo de cirurgia.Vale destacar que é essencial realizar esse procedimento com um profissional qualificado, pois a responsabilidade e experiência do cirurgião podem fazer toda a diferença no resultado final. Um profissional responsável vai fazer o acompanhamento do paciente do início ao fim do processo cirúrgico, o que inclui:Exames necessários pré-cirurgia; Indicações do que pode ou não ser feito antes do procedimento; Esclarecimentos sobre o procedimento; Recomendações de cuidados pós-operatórios, tanto de medicações quanto de atitudes; Consultas após a cirurgia para acompanhar a recuperação;O acompanhamento do tratamento com aparelho ortodôntico, até quando for necessário. Por isso, não hesite em fazer uma procura extensa antes de escolher quem será seu cirurgião. Pesquise, peça indicações, converse com diversos profissionais e escolha aquele que passa mais confiança e que pode demonstrar sua experiência. Não aceite qualquer tipo de atendimento. Afinal, é a sua saúde que está em jogo! Invista na busca por um bom cirurgião para alcançar os melhores resultados.
Bruxismo – Ato de ranger os dentes enquanto dorme ou durante o dia.